Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Opiniões e Postas de Pescada

Opiniões e Postas de Pescada

27
Nov19

A grande notícia / novidade da semana

Miúda Opinativa

Ontem caiu a bomba. Pois então parece que as crianças portuguesas são as que passam mais horas por semana nas creches, cerca de 40 horas por semana. E os jornais começaram a publicar esta notícia com grande alarmismo, porque estamos muito acima da média europeia, porque isto signfica que as crianças passam cerca de 8 horas por dia nas creches quando, na verdade, deveriam passar no máximo 6 horas. 

Ora... Eu cá vejo isto com um certo optimismo. Então... Se, por norma, uma pessoa que trabalhe por conta de outrem trabalha, efetivamente, 8 horas por dia, 40 horas por semana, a mim parece-me óptimo que as crianças só estejam nas creches as mesmas 8 horas por dia. Quer dizer, signfica que o tempo que os pais demoram entre a creche e o local de trabalho e entre o local de trabalho e a creche é inexistente... Por isso, qual é a surpresa negativa nesta notícia? 

.

.

.

 

Obviamente que estou a ser irónica nas minhas palavras. Obviamente que nada disto é uma boa notícia. Mas também não fico surpreendida e estranho quem fica. Quer dizer... Se os pais das crianças trabalham 8 horas por dia, 5 dias por semana (40 horas por semana, portanto), como é que poderia ser esperado que as crianças não estejam tanto tempo nas creches? 

Eu não tenho filhos. Mas a verdade é que esta é uma das razões que me leva a adiar a maternidade. Não me sinto preparada para ter filhos e deixá-los tanto tempo numa creche (ou com a minha mãe). Porque o facto de deixar as crianças com os avós, quando os avós têm essa disponibilidade, apenas contorna o problema, não o resolve. É como tentar pôr um penso rápido numa mordidela de guaxinim... Até resulta durante uns minutos, mas tem que ser rapidamente trocado. E aqui é a mesma coisa. Eu até posso deixar os meus filhos com os avós, e não tenho dúvidas que são ainda mais capazes que eu para educar crianças. Mas continuo a não ser eu a ir buscá-los à escola e a ter contacto com os professores. Continuo a não ser eu que vou com eles às atividades extracurriculares. Continuo a não ser eu a fazer uma série de coisas que gostava de ser eu a fazer. 

E de cada vez que oiço falar em medidas natalistas, penso nisto. Que tão importante como proprocionar-se abonos família ou outro tipo de apoios financeiros, deveria existir uma grande reestruturação laboral para que, de facto, os pais consigam estar com os filhos.  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D