Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Postas de Pescada

Opiniões e Postas de Pescada

05
Nov19

O carrossel gira, a vida é uma montanha russa, bla bla bla

Miúda Opinativa

Na última vez que escrevi, há 5 meses, estava verdadeiramente entusiasmada com a mudança que vinha aí. Ia mudar para aquele que seria o meu "dream job" - função, teoricamente, mais interessante, vencimento superior, mais perto de casa. Tudo óptimo, tudo espectacular. Mas... tem cuidado com o que desejas.

Comecei no novo trabalho no dia 1 de Julho, depois de 15 dias de férias, e há duas semanas, menos de 4 meses depois, apresentei a minha demissão. O emprego de sonho tornou-se, muito rapidamente, num pesadelo, onde me sentia constantemente "agredida" psicologicamente pela minha chefe. Vai daí que decidi sair. A vida é demasiado curta para nos sentirmos mal durante 8 horas do nosso dia (fora as horas fora do trabalho, em que estamos constantemente a pensar no trabalho e no que poderá acontecer se respirarmos de forma errada). 

Nestes 15 dias, a minha vida, as minhas emoções, têm sido uma montanha-russa, em que oscilo entre o optimismo e alegria e a tristeza e raiva. 

A verdade é esta: despedi-me porque encontrei um novo projeto profissional; no entanto, esse novo projeto, não obstante as coisas boas que me poderá trazer, não era exatamente o que eu queria nesta fase da minha vida / pseudo-carreira. Por outro lado, nestes últimos dias, em que as pessoas da empresa souberam que eu me ia embora, têm servido para perceber que apesar de curto espaço de tempo que aqui estive, as pessoas gostavam de mim e da minha forma de trabalhar. E toda a gente tem pena que eu me vá embora... 

Vai daí que estou ambivalente: por um lado, sinto-me orgulhosa por ter conseguido largar algo que me fazia mal e não me ter acomodado às vantagens; por outro lado, estou com raiva por perceber que me vou embora apenas por um "pequeno grande pormenor" - a minha chefe, que é uma besta de pessoa - e que devido a esse "pequeno grande pormenor", vou perder as vantagens que este trabalho me trazia. 

E para ajudar à frustração, parece que as coisas no meu local de trabalho antigo estão a mudar... E estou em crer que se tivesse continuado por lá, a minha situação poderia estar bastante diferente. 

Às vezes, a vida prega-nos algumas rasteiras e isso deixa-me pissed-off. Encaixar tudo isto está a ser um desafio, mas estou a trabalhar para conseguir resolver a questão. Tenho que pensar que, infelizmente, isto não foi o pior que me aconteceu na minha vida. Por outro lado, tenho que pensar que o pior que me aconteceu me ensinou que um trabalho é só um trabalho e que temos que deixar para trás o que nos faz mal. 

Finalmente, tenho que aprender uma coisa: ACREDITAR. ACREDITAR em mim e nas minhas capacidades. ACREDITAR que consigo lidar com bullies. ACREDITAR que apesar de esta oportunidade não ser exactamente aquilo que eu esperava para esta fase da minha vida e pseudo-carreira (carreira. Tenho que acreditar nas minhas capacidades e acreditar que esta é a minha carreira e não uma pseudo-carreira), pode ser (vai ser) uma coisa boa. E que com um bocadinho de sorte e muito trabalho, pode tornar-se a coisa muito boa que vem de uma coisa má. 

Vamos lá. 

(E até lá, vamos continuar no escritório porque não obstante o facto de já termos tudo encaminhado, a besta da chefe faz questão de me ter cá, sem me ligar nenhuma, até ao fim). 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D