Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Postas de Pescada

Opiniões e Postas de Pescada

23
Set20

Coisas que me aborrecem em mim

Miúda Opinativa

Eu tenho imensas coisas em mim de que não gosto. Coisas mais "fúteis" como, por exemplo, o facto de ter os joelhos gordos e defeituosos e coisas mais... chatas. 

Sou ansiosa e pessimista. Penso sempre o pior de mim. Não acredito em mim. Lido mal com uma série de questões. Sou insegura. 

E compenso o stress e tristeza e ansiedade com comida. Nestes momentos, a minha compulsão aumenta ainda mais. Sou capaz de comer uma tablete de chocolate inteira ou uma embalagem de gelado ou um pacote de bolachas. Sozinha. A minha sorte é que o desporto faz parte da minha vida desde sempre e assim se vai equilibrando, pelo que o problema é "só" interno. 

Mas é um problema. E aborrece-me.  

17
Set20

A Tristeza (Fútil)

Miúda Opinativa

No outro dia, recebi uma notificação no telemóvel da Booking, onde apresentavam uma qualquer promoção na reserva de alojamentos. 

E fiquei "triste". Porque não tenho nenhuma viagem planeada nem sequer a perspectiva de planear qualquer viagem. Porque há Covid e eu lido mal com a incerteza associada a viagens. Mas, também, porque não consigo planear férias no meu trabalho... Face ao que está a acontecer e se prevê que vá acontecer até ao final do ano, estou a ver que sou capaz de passar 10 dias de férias para 2021 (isto se conseguir gozar uns dias entre o Natal e o Ano Novo). 

Anyway... Fiquei triste. Porque gosto de viajar e embora não seja a pessoa que mais viaja, essa possibilidade motiva-me, alimenta. E este ano... Não vai acontecer mais, parece-me. 

No entanto, depois de ter ficado triste, apercebi-me o quão parvo é ficar triste por causa disto. Porque tenho saúde, tenho trabalho, tenho um tecto e o nosso país está em paz. Não corremos o risco de acordar à noite bombardeados ou incendiados. É fútil ficarmos tristes porque não podemos viajar. É fútil ficarmos tristes porque temos que usar máscara. É fútil ficar triste porque não consigo planear as coisas no meu trabalho (e não estou a falar de férias). Porque, no final do dia, está tudo bem. Estamos bem. Estou com saúde. 

Mas... estou triste. E às tantas já nem sei se é por causa disto ou se é por causa de razões mais profundas. Se é por ser Setembro, o que me deita sempre abaixo e agora ainda mais. 

Só sei que estou cansada. Muito cansada. 

17
Ago20

Avante

Miúda Opinativa

Antes de mais, um disclaimer: sou aquilo a que se chama apartidária. Tenho algumas simpatias políticas mas, mais do que em partidos, voto em ideias e medidas sociais e económicas. Não gosto de extremismos e gosto de civismo. Ainda assim, talvez se possa considerar que os ideais sociais com os quais mais me identifico sejam socialistas. Economicamente falando... Bem, não me meto muito, porque não tenho conhecimentos suficientes para ter uma opinião realmente bem fundamentada. 

Tudo isto para dizer que a minha posta de pescada é isenta de tendências políticas. É, apenas, uma opinião de quem, em Março, teve que vir para casa e viu a irmã mais nova, que andava a planear a festa dos 25 anos desde o ano passado, ter que cancelar essa ideia. É apenas a opinião de quem iniciou um novo trabalho no dia 1 de Abril e, desde então, está em teletrabalho. É apenas a opinião de quem viu uma cirurgia adiada. É apenas a opinião de quem já tinha bilhetes para o Rock in Rio e para o Alive e... agora espera até para o ano. É apenas a opinião de quem deixou de ir ao ginásio em Março e agora, para ir, tem que ter uma série de cuidados - todos com sentido. É apenas a opinião de uma pessoa cujo pai é proprietário de um restaurante e que, para o reabrir, teve que o adaptar a uma série de cuidados - novamente, todos com sentido. 

É apenas uma opinião de alguém que considera que a realização da Festa do Avante não faz sentido. Mesmo sendo um encontro político. 

Toda eu sou pela democracia. Pelo-me quando oiço alguém a desvalorizar o 25 de Abril. Mas penso que a Democracia não é posta em causa pela não realização da Festa do Avante. Pelo contrário. Penso, também, que se fizessem MUITA questão de manter a componente política da Festa do Avante, seria possível fazê-lo - punham o Jerónimo no seu palanque a discursar, as pessoas ouviam, garantindo a distância de segurança, e estava feito. 

Mas a Festa do Avante, como o próprio nome indica, é MUITO mais do que um encontro político. É uma Festa que agora leva 33000 pessoas. É uma festa com campismo, com álcool, com concertos. E o mesmo país que continua a impedir pessoas de se despedirem de familiares e amigos em funerais, está a permtir que esta festa seja realizada - e, por enquanto, e de acordo com a reportagem que vi no Sábado, ainda sem plano de contingência. 

Acho, verdadeiramente, uma vergonha.  

20
Jul20

A Tininha

Miúda Opinativa

Estava eu no carro na sexta-feira ao final da tarde, a ouvir o Fernando Alvim e a sua Prova Oral, quando eles se questionaram sobre quem é que iria assumir o programa da Cristina Ferreira na segunda-feira. Como assim??? Não estava a perceber. A Cristina Ferreira tinha saído da SIC? O que é que tinha acontecido? 

Liguei para a minha mãe (calma, pessoas, o carro tem sistema de alta voz) e ela não sabia nada. Pronto, quando cheguei ao meu destino, já me tinha mandado uma mensagem a dizer que tinha regressado à TVI e eu lá abri o Facebook para perceber o que tinha acontecido. 

Bom, goste-se ou não se goste, a Cristina Ferreira é uma mulher de poder, que se sabe movimentar. E isso é, sem dúvida, de louvar. Woman Power. 

Por outro lado, e independentemente de gostar ou não gostar do estilo dela (que, admito, não gosto), considero que, como dizia o outro, "com o poder vem a responsabilidade". E acho pouco simpático (que é como quem diz... pouco profissional) comunicar numa sexta-feira que na segunda já não se vai trabalhar. Acho que é desrespeituoso para quem há dois anos lhe deu aquilo que ela queria - um programa à sua medida. Mesmo que, como entretanto a comunicação social veio a escrever, entretanto não lhe tenham dado realmente tudo o que ela queria (e eventualmente acordado), não acho bonito. 

Mas o que sei eu? Afinal, eu não sou nenhuma Cristina Ferreira, passo de trabalho em trabalho sempre à procura de algo que se calhar nunca vou encontrar. Mas, curiosamente, dou sempre o pré-aviso devido... 

17
Jul20

Quando é que deixamos de ter sonhos e passamos a ter objetivos?

Miúda Opinativa

Há umas manhãs, num dos meus passeios com o Loki, dei por mim a pensar nisto. 

Quando somos crianças, quer-se que tenhamos sonhos e parece que tudo é permitido. Podemos sonhar ser astronautas, jogadores de futebol, atores, cantores. Se tudo estiver a correr bem na infância, o sonho e a imaginação fazem parte das nossas vidas, como é retratado na música "Sonho Meu", que abria a novela da Globo com o mesmo nome (é uma criança dos anos 90 que vos escreve). 

Mas os anos vão passando e as coisas vão mudando. E aos 31 anos, já ninguém me pergunta "quais são os teus sonhos?", ouvindo, antes "quais são os teus objetivos?". Talvez seja uma questão apenas semântica porque, no fundo, as respostas poderão ser exatamente iguais. Mas... também poderão não ser. 

Talvez seja por estar numa fase assim meio estranha, mas parece-me que aquilo que está por trás de um sonho será diferente daquilo que está por trás de um objetivo. Ou a forma como se vivem sonhos é diferente da forma como se vivem objetivos. 

Será um sonho algo mais irrealista, imaginário e, por isso, não vale a pena, a partir dos 30, sonharmos, uma vez que temos que pensar em concretizar os nossos objetivos, algo mais concreto? 

Ou será que é mesmo só uma questão de semântica e podemos considerar sonhos e objetivos como sinónimos? 

Ou será que depende, na verdade, de quais são os sonhos ou objetivos e não tanto destas expressões? 

A verdade é que eu gostava de conseguir continuar a sonhar... Mas, admito, tenho cada vez mais dificuldade em fazê-lo. Talvez porque tenho uma certa dificuldade em atingir os meus objetivos... Que também tenho dificuldade em definir.  

16
Jul20

Teletrabalho no Verão

Miúda Opinativa

Nas últimas 2/3 semanas, tem-me custado muito mais trabalhar e manter a concentração ao longo do dia. Logo eu, que digo, desde há 4 meses, que adoro teletrabalhar e que isto para mim é ótimo. 

Até ontem, achei que esta dificuldade de concentração fosse consequência de um estado meio apático em que tenho vivido, apenas diminuído pelo meu Loki. No entanto, embora os issues se mantenham, a minha atitude face a eles parece estar a mudar. Então, porque mantenho a dificuldade em concentrar-me? 

Ontem cheguei a uma conclusão. Para além de tudo o resto, terá a ver, certamente, com o facto de ainda estar em casa. E é ótimo, não me queixo, mas agora sim, traz algumas consequências. 

Em primeiro lugar, em casa não tenho ar condicionado. Posso tar de calções, chinelos e top, mas não consigo evitar o calor. 

Mas o factor psicológico influencia ainda mais. Apesar de já ter saído da faculdade há 8 anos (old lady) e de já não fazer "férias grandes" no Verão há 5 anos, ainda associo esta época do ano a férias e descanso. E para o meu cérebro e coração, que ainda fazem esta associação, é estranho estar em casa no verão (lugar e época normalmente associados ao lazer) e estar a trabalhar. Fica confuso, apesar de estar já a trabalhar em casa desde Março. 

Enfim. Resta-me esperar pelas férias, que não sei quando irão chegar.  

13
Jul20

Este é o mood de segunda-feira.

Miúda Opinativa

Quis a vida que a minha vida profissional se desenvolvesse dentro da área dos Recursos Humanos.

(E sim, digo "quis a vida" porque a sensação que tenho muitas vezes é que eu não tive grande influência nesta decisão. O meu primeiro trabalho nesta área não seria, de todo, a minha primeira escolha e só aceitei porque foi a única opção que surgiu em plena crise económica. 4 meses depois, desisti, decidi voltar a estudar, iniciei o meu segundo mestrado e 1 ano depois, candidatei-me a uma consultora de Recrutamento porque queria voltar a ir a entrevistas para treinar, mas nunca achei que fosse ser seleccionada. Quando fui, decidi aceitar, porque tive medo de voltar a não encontrar trabalho quando terminasse o segundo mestrado. Correu muito mal, mas já era tarde para voltar ao mestrado incompleto. Então, a partir daí fui-me construindo nesta área... com mais ou menos sucesso). 

Ora, este meu percurso faz com que leia muitas coisas sobre esta área e sobre Employee Experience e assuntos "trendy". E ao passar os olhos no feed do LinkedIn e ao ler artigos sobre estas últimas tendências, poderia achar que o mundo do trabalho e as relações laborais entre colaboradores e empregadores estão a modificar-se. Em que já ninguém trabalha 12 horas por dia porque as empresas valorizam o equilíbrio entre a vida profissional e a vida pessoal, em que já não existem "chefes" mas sim "líderes", em que... Tanta coisa. 

No entanto, a realidade a que depois assisto é diferente. Em que as empresas continuam a exigir aos seus colaboradores horas e horas de trabalho, em que as empresas não facilitam as férias (queres 10 dias seguidos de férias, mesmo que isso seja obrigatório? Não podes ter), em que as empresas exigem e exigem cada vez mais dos seus trabalhadores (e aqui não coloco o termo "colaboradores" de propósito) mas, ainda assim, tentam vender-se como "empresa atrativa". 

E isto aborrece-me. A vida não é só trabalhar. Vejo as pessoas à minha volta (e eu) sem tempo para nada e cansados. Muitos, desanimados. Desanimados porque trabalham e trabalham num "dead end job", sem grande reconhecimento e seriam capazes de muito mais. 

A cereja no topo do bolo? Ainda têm que se sentir agradecidos. 

 

09
Jul20

Das surpresas

Miúda Opinativa

Ontem foi um dia surpreendente. 

Este meu "blog" não é, de todo, um blog de destaque. Não tenho muitas visualizações (acho que fui hoje, pela primeira vez, consultar as estatísticas), não tenho muitos comentários e já nem publico com a mesma frequência com que publicava há uns anos. 

Por outro lado, aquilo que esteve na sua origem (i.e., uma tentativa de colocar aqui as minhas... opiniões e postas de pescada sobre os mais variados temas, mas sem grandes relatos pessoais) transformou-se e falo mais sobre a minha vida pessoal e se calhar que alguém que me conheça passar por aqui, vai perceber quem é a Miúda Opinativa. 

Mas dizia eu que ontem foi um dia supreendente. Porque o SAPO deu grande destaque ao meu post sobre a adoção do meu cão (foi a segunda vez que o fez) mas, sobretudo, pelos comentários que fui lendo ao longo do dia (aos quais gostaria de responder individualmente mas creio que não vou ter essa disponibilidade. Desculpem). 

Adotar um cão foi, efetivamente, uma ótima decisão. Sei que fiz a diferença na vida do Loki mas, sobretudo, sei que ele fez diferença na minha vida. Há lá maneira melhor de acordar e vermos um patudo que está connosco há menos de 1 mês a saltar-nos para cima de alegria por nos ver? Sim, ficamos logo com outra disposição e parece que o dia tem potencial para correr melhor. 

No meu caso, adotar um cão foi isto. Foi perceber que afinal sou capaz de tomar conta de outro ser vivo e fazer diferença positiva na sua vida. Perceber que em menos de 1 mês, este ser vivo que foi abandonado / se perdeu se tornou tão importante na minha vida (e na dos que me rodeiam). Perceber que eu também me tornei tão importante na sua vida. 

E sim, isto também foi uma supresa. Sabia que, eventualmente, isto iria acontecer. Mas sabia que ia ser tão rápido. 

Adotar um cão não pode ser uma decisão fácil porque há muitas coisas a ter em consideração e é preciso que sejamos responsáveis; no entanto, é uma decisão que, no meu caso, valeu a pena. 

E agora sim, uma foto do Loki, que é um tímido e não gosta de fotografias frontais :) 

IMG_6226.jpeg

 

06
Jul20

Cair. Para depois levantar.

Miúda Opinativa

Existem alturas complexas. Em que a vida vai correndo, com as mesmas alegrias de sempre e com as mesmas chatices de sempre. Ainda assim, nós não estamos normais e vamo-nos abaixo, sem sabermos muito bem porquê, nem como. Porque se as chatices são as mesmas de sempre, porque raio nos vamos abaixo? 

Mas vamos. Vamos e acordamos durante a noite em sobressalto. Vamos e andamos desanimados. Vamos e sentimos que estamos em piloto automático. E tudo o que vem lá de trás, todos os nossos medos e inseguranças, voltam a acenar, como que a dizer "olá, velha amiga! Esperavas que já não estivesse por aqui? Pensa outra vez". 

O grande problema disto é que acaba por ter uma enorme influência nos vários quadrantes da nossa vida. Na nossa vida profissional e nas nossas relações. E depois... a bolha explode e a merda espalha-se toda. 

Nestas alturas, cai tudo. Até que alguém, e de forma, é verdade, meio abrutalhada, nos diz o que precisamos de ouvir. E nos dá a mão quando não aguentamos mais e apenas choramos, choramos e choramos. 

Foi de forma meio abrutalhada, mas serviu. Já me estou a levantar. Ainda estou a apanhar cacos - acho que vou continuar a apanhar cacos durante o resto da minha vida - mas já me estou a levantar. 

Espero. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D