Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Opiniões e Postas de Pescada

Opiniões e Postas de Pescada

11
Jan18

Quando é que nos tornamos adultos?

Miúda Opinativa

Não sei exactamente quando é que nós nos queremos tornar adultos e independentes. Mas julgo que passamos grande parte da nossa pré-adolescência e adolescência a querer chegar aos 18 anos. Julgamos que aí seremos adultos, maiores e vacinados, independentes, donos do nosso próprio nariz. 

 

Esquecemo-nos, ou não sabemos, que a vida não funciona assim. Que aos 18 anos somos adultos apenas no Cartão de Cidadão. Que sim, já podemos beber álcool, tirar a carta e votar, mas que, na maioria dos casos, isso não nos torna adultos no verdadeiro significado da palavra. 

 

Mas o que significa, então, ser adulto, no verdadeiro significado da palavra?

 

Durante algum tempo, sim, também quis ter os 18 anos.  Os 18 anos permitiram-me começar a tirar a carta (6 meses depois de ter feito os 18), começar a votar (finalmente!) e coincidiram com a minha entrada para a Faculdade. Contudo, a entrada paraa Faculdade não me trouxe as certezas que eu estava à espera que os 18 me trouxessem, muito pelo contrário... Assim, não, não foi com 18, nem 19, nem 20 que me comecei a sentir adulta. Comecei a achar que seria quando saísse da Faculdade e entrasse no Mercado de Trabalho. 

 

Acontece que tive um percuro, após a conclusão da Faculdade, em 2012 e com 23 anos, um pouco sinuoso. E nunca me senti adulta. Voltei a trabalhar aos 26 e pensei "ok, se calhar é agora, que me vou sentir adulta...". Só que não. 26 anos, a trabalhar a tempo inteiro, e sentia-me uma adolescente com uma mesada maior. Porque de resto, enquanto vivesse em casa dos meus pais, com eles a "cuidarem" de mim, eu não me sentiria adulta. Talvez fosse adulta no meu trabalho, onde sou responsável por aquilo que faço, mas na vida pessoal... Bem, nem tanto. 

 

Então comecei a pensar que só seria adulta a sério, em todo o significado da palavra, quando saísse de casa, tivesse todas as contas para pagar. Ou, talvez, se nem aí isso acontecesse, quando um dia tiver filhos - se tiver filhos. 

 

Até que em Setembro a vida trocou-me as voltas. O meu irmão morreu, suicidou-se. E de repente vim-me "obrigada" a assumir um papel que nunca pensei que tivesse que assumir aos 28 anos - e tão sozinha. O de também cuidar dos meus pais. Nós éramos 3 irmãos e sempre achei que esta "tarefa" de cuidar dos pais só chegaria daqui a muuuuitos anos (os meus pais são ambos saudáveis) e seria partilhada pelos 3 irmãos. Mas o meu irmão morreu quando a minha irmã foi para Erasmus. Então, até Dezembro, fiquei eu sozinha a cudar deles, que continuam a cuidar de mim. 

 

E acho que foi aqui que me tornei adulta. Quando passei a cuidar. Quando a necessidade de me desdobrar é ainda maior. Quando penso muito mais numa série de coisas que há 4 meses não me passavam pela cabeça. Agora cuido. Agora sou adulta. 

15 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D