Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Opiniões e Postas de Pescada

Opiniões e Postas de Pescada

06
Jul17

A dependência das Redes Sociais

Miúda Opinativa

Quando eu estava no primeiro ano da Faculdade, uma professora minha disse-nos que vinha a reparar que, de ano para ano, os primeiros anos estavam piores. Mais imaturos, mais mal-comportados, etc. etc. E eu, no alto dos meus 18/19 anos (porque nessa altura somos todos muito sábios, claro está), disse-lhe "pois, professora, mas prepare-se. Daqui para a frente serão piores".

 

Enfim, isto deve ser a mais velha história do Mundo. Todos nós achamos que as gerações seguintes são piores e que a nossa geração é a última boa geração. Não é nada de novo.

 

Adiante. Passaram-se 10 anos.

 

A minha geração já entrou no mercado de trabalho há uns anos e começamos a assistir à entrada de uma nova geração, de 21/22 anos, neste mundo. Uma geração que, mais ainda do que a minha, é muito conectada às redes sociais. Para quem a entrada no mercado de trabalho e o seu dia-a-dia laboral é super-documentado no Facebook, Instagram e Snapchat (e talvez mais, não sei). E isso até começa a ser utilizaddo pelas Organizações como forma de employer branding: neste momento, os colaboradores das Organizações já são embaixadores dos seus locais de trabalho e uma das ferramentas utilizadas é, precisamente, as redes sociais. Até aqui tudo bem.

 

Mas existe um limite. E esse limite não é assim tão difícil de definir. Esse limite é quando a partilha da vida laboral nas redes sociais põe em causa o trabalho que se faz, tornando-se eticamente reprovável.

 

Há uns dias, uma antiga colega de escola da minha irmã que trabalha em R&S, colocou no Instagram (mais concretamente no Instastories) uma foto do lanche composto por bolachas de chocolate com uma legenda a falar sobre alimentação saudável. O que é que isto tem de mal? Nada. Não fosse o caso de por baixo do pacote das bolachas estar um CV. E eu, que também trabalho nessa área e já tenho olhos de lince para esses pormenores, detectei logo o e-mail da pessoa e o contacto telefónico. Para além, claro, de parte da experiência profissional. 

 

E isto é grave, muito grave. Um post aparentemente inocente (até porque só tem a duração de 24 horas) pode ter consequências muito graves. Porque os processos de recrutamento e selecção são sigilosos; logo, não é suposto que as informações de um/a candidato/a estejam assim, em rede. É pouco provável que alguém, a partir dali, perceba quem ele/a é; no entanto, nunca se sabe, e isso pode trazer consequências para o/a candidato/a. Consequentemente, quebrando o sigilo obrigatório, isto pode trazer também consequências para a antiga colega da minha irmã e, no limite, para a empresa onde ela trabalha.

 

E isto é algo que não percebo. A partilha do nosso trabalho nas redes sociais é assim tão importante que ponha em causa  nosso trabalho? Para mim a resposta é simples: não. Simplesmente, não.

E não percebo esta necessidade de tudo partilhar. Sim, tal como disse ontem, eu também partilho coisas e é giro ver passado uns tempos as memórias. Mas, julgo eu, são coisas que não ultrapassam limites. Claro que às vezes é difícil estabelecer limites: para mim, pode fazer todo o sentido partilhar uma foto parva minha em Oslo e isso para outros pode ser demasiado - no entanto, julgo que a partilha que põe em causa outros e o nosso trabalho é perfeitamente evitável.

 

Mas isso sou eu, que estou perto dos 30...

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D