Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Opiniões e Postas de Pescada

Opiniões e Postas de Pescada

16
Mar17

Um post sobre nada... E sobre tudo

Miúda Opinativa

Ontem, enquanto estava no banho, dei por mim a reflectir sobre a Felicidade (claro, é sempre quando estamos no banho ou a querer dormir que temos estas grandes reflexões filosóficas). 

 

O que é a Felicidade? Será que a Felicidade é mesmo uma escolha, como tantos gostam de dizer? 

 

Às vezes, eu acredito que sim. Que somos nós, face às situações que nos vão surgindo na vida, que vamos escolhendo a forma como vamos lidando com elas e a forma como elas influenciam a forma como vamos vivendo. Às vezes, e não tendo só a ver com a "Felicididade", acredito que somos nós que, face às vicissitudes da vida e ao nosso passado, escolhemos a forma como queremos viver. Se queremos viver "apesar de" ou se queremos viver "porque". 

 

No entanto, e estando agora num momento da minha vida ligeiramente reflexivo, dou muitas vezes por mim a pensar que se calhar, querer ser feliz, por si só, não basta. Eu quero ser feliz. Eu quero muito ser feliz. No entanto, alturas há em que reconheço que o querer ser feliz não é suficiente. E reparem, são alturas em que não acontece nada de especial para ficar menos feliz. São simplesmente alturas em que por mais que eu queira, em que por mais que eu faça por ser feliz, por mais que eu diga que eu tenho mais razões para ser feliz do que para ser infeliz, sinto que isso não é suficiente. Sinto que tem que haver mais qualquer coisa, não necessariamente externo, para conseguir atingir essa felicidade. 

 

Se calhar, para além do querer, existirá também além alguma predisposição genética para sermos felizes. A verdade é que nós somos uma conjugação entre contexto e genética e, como tal, a Felicidade não foge deste jogo. Se calhar, algumas pessoas (e não falo de mim), por mais que queiram, por mais que lutem, nunca conseguirão atingir essa felicidade que é uma escolha. 

10
Mar17

Amizades

Miúda Opinativa

Eu não tenho muitos amigos - pelo menos, não tenho muitas pessoas que "caibam" no conceito que eu tenho de amigos. Por outro lado, sei que não tenho uma relação que possa ser considerada "comum" com os meus amigos. Para tal contribuem diversos factores - eu sou uma pessoa muito reservada, tenho alguns trust issues e a verdade é que a idade e crescimentos diferentes fazem com que tenhamos neste momento vivências diferentes que poderão, de certa forma, causar algum afastamento. 

 

E isso faz com que, por vezes, duvide que algumas daquelas pessoas que ainda considero amigos o sejam de facto - não que não possam ser consideradas pessoas com quem goste de estar, mas será que cabem no tal conceito que tenho de amgios?

 

Até que depois há certas alturas em que percebemos que apesar de tudo, sim. Podemos não estar juntos tantas vezes como poderia ser considerado normal, podemos ter conversas que a mim não me interessam tanto, podemos muitas coisas. Mas a verdade é que, quando é preciso, e mesmo que não queiramos, ou achemos que não queremos, os nossos amigos, as nossas amigas, estão lá, nem que seja numa conversa Whatsapp, para nos ajudarem, para perguntarem como estamos, para nos darem algum apoio. 

 

E isso é importante, tão importante. 

 

Eu sou um lonely wolf - eu sou daquelas pessoas que não está mal se estiver sozinha. Mas se calhar, tenho vindo a perceber, também não estou completamente bem. Porque no man is an island. E a verdade é que as amizades são importantes. E é tão bom ter pessoas com quem falar pela noite fora sobre os pequenos (ou grandes) dramas da nossa vida... É tão bom ter ter pessoas com para nos rirmos das desgraças da nossa vida, para fazermos piada sobre as nossas coisas estúpidas. É bom. 

 

Posso-me zangar. Mas se calhar, essas pessoas continuarão lá. 

27
Fev17

Meia-Maratona

Miúda Opinativa

Quando criei este blog, há pouco mais de um ano, o objetivo nunca foi partilhar acontecimentos mais pessoais da minha vida. Era, como dizia, partilhar a minha opinião, que vale o que vale, sobre assuntos genéricos.

 

Acontece que já partilhei um momento mais privado - o nascimento da Maria. E abri um precedente.

 

Se a partilha de acontecimentos da minha vida interessa a alguém? Não sei. Mas a verdade é que a minha opinião sobre temas mais genéricos também poderia não interessar e não é isso que me impede de escrever XD

 

A verdade é que eu gosto de escrever. E para mim está a ser importante escrever aqui e tenho tido vontade de escrever também sobre assuntos mais pessoais. Prometo que vou tentar não tornar isto um diário privado, mas julgo que não vou resistir a escrever sobre coisas mais "minhas".

 

Como a minha primeira Meia-Maratona. Ontem, dia 26 de Fevereiro de 2017, corri a minha primeira Meia-Maratona. E sinto-me a super-mulher.

 

É daquelas coisas que quem não corre não percebe - eu não percebia. Mas correr é das melhores coisas que podemos fazer. Mesmo a sério. Ao físico, claro, mas, sobretudo, à cabeça. Tem-me feito muito bem, tem-me ajudado a lidar com problemas, tem-me ajudado a disciplinar-me. A ter paciência. A lutar. A ultrapassar-me, a superar-me. Há 3 anos e meio, quando comecei a correr mais a sério, dizia que nunca na vida iria correr uma meia-maratona. Porque a distância é muito grande. Porque tenho um problema no joelho que, na verdade, até tornaria a corrida desaconselhada. Porque não tinha cabeça para isso - e para uma meia-maratona já é preciso ter cabeça.

 

Porque uma meia-maratona não é fácil. Bem, para mim, não foi fácil. São 21 km e eu nunca tinha corrido tantos km. O máximo que tinha corrida tinham sido 17, há duas semanas, e a verdade é que os 2 últimos km já me tinham custado bastante - mais uma vez, o importante foi mesmo a cabeça. 

 

Então, quando ontem acordei, pensei "porra, 21 km é muito tempo" e pensei "no que é que me fui meter?!".

 

E lá fui. Encontrei a minha colega de trabalho e às tantas, a adrenalina começou a descer. Aquele nervoso miudinho, o friozinho na barriga antes de uma prova desportiva (e que há anos que não sentia e do qual eu morro de saudades) apareceram. Pensei "vamos lá, diverte-te. Esse é o grande objetivo. Bem, e terminar e não morrer também, claro".

 

E lá fui. Com energia nos primeiros 10 km. Via fotógrafos e dizia adeus. Subidas custavam, mas faziam-se bem. Isto é fixe, estou bem, Cascais é lindo, o Guincho é espetacular, e o cheiro a mar? Meu Deus, este cheiro a mar... Até que dei a volta.

 

E começou a custar aos 14 km. O corpo começa a doer. A vontade de ir à casa de banho começa a ser cada vez maior. Beber água, importantíssimo, tem esse efeito colateral. E o pior é que sim, há as duas vontades de ir à casa de banho. Não acontece sempre, nem a toda a gente, mas a verdade é que o impacto da corrida põe-me os intestinos a trabalhar a toda a força. E já não sabia o que fazer. Já tinha passado a casa de banho (e também não sei se seria capaz de a utilizar, porque detesto as casas de banho portáteis).

 

A partir dos 15 km, começa a passar TUDO pela cabeça. Todas as minhas vitórias, todas as minhas derrotas. Tudo aquilo que fiz e não fiz. Aquilo que quero fazer. Pensamos nas pessoas que estão à nossa espera na meta e nas pessoas que estão atrás de nós na corrida. Mas o que passa mais pela cabeça é o desistir. Porque o corpo começa a doer. O joelho começa a apitar. O fecho da abertura das calças, nas pernas, começa a bater no calcanhar e magoa mesmo a sério. As pernas começam a pesar e a doer. A anca começa a doer. Mas vai-se continuando. Temos uma vozinha na cabeça que nos diz "abranda mas não pares. Por ti, pelos outros, continua, vai". E fica a faltar menos 1 km, e menos outro, e a partir de agora é sempre a descer. E está quase. E os corredores vão puxando uns pelos outros. Ouvi muitas vezes "força" e disse, outras tantas "não desistas!".

 

E de repente, estamos a ver a Baía de Cascais. A meta está já ali à frente. A minha colega entretanto viu-me e fez um sprint para me apanhar. Tive vontade de a abraçar.

 

E vindo sabe-se lá de onde, vem a descarga final de adrenalina. E de repente, estamos a cortar a meta. E eu, que não sou nada de chorar, tive vontade de chorar de emoção quando cruzei a meta. Apesar de estar morta, KO, ainda tive energia para saltar e ir correr ter com o meu namorado que foi ter comigo à meta. Onde é que fui buscar esta energia? Não sei.

 

Mas foi brutal. De tal forma que já estou a pensar "quando é a próxima?". Ontem dizia que estava "high on adrenaline" e acho mesmo que é isso. Uma única experiência deixou-me viciada. Quero mais. Quero sentir mais esta adrenalina.

 

Doeu, custou. Mas é espectacular.

 

Porque eu posso não conseguir fazer muitas coisas, posso ter muitos objetivos que ainda não consegui cumprir e posso ter uma cabeça cheia de macaquinhos. Mas esta objetivo consegui cumprir e aqui a minha cabeça funcionou bem.

 

Há um ano, há precisamente um ano, lixei o joelho na minha viagem a Berlim. Como resultado, tive que passar por fisioterapia, recuperação e só voltei a correr em Julho. E ter conseguido, passado um ano de ter lixado o joelho, correr uma Meia-Maratona, foi só espetacular. Porque as coisas más acontecem, mas podem sempre melhorar :)

 

 

Resultado de imagem para any idiot can run, but it takes a special kind of idiot

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D